Primeiro americanos chegaram 2.500 anos antes que nós pensavamos

Tradução livre para o português do original de Jabr Ferris em Science

É hora de reescrever a história de como os exploradores da Idade da Pedra atravessaram da Ásia para as Américas e colonizaram os continentes.
O povo de Clovis eram os principais candidatos ao título de primeiros americanos. Mas um tesouro de ferramentas recém-descoberto no Texas, sugere que a terra foi habitada há milhares de anos antes do reinado da Cultura de Clovis.
Quando as pessoas que construíram as ferramentas texanas haviam migrado, as camadas de gelo dificultaram viajar por terra, tornando uma tarefa difícil. Isso dá força a hipótese de que as Américas foram colonizadas por mar, não da terra.
Quem foram os primeiros americanos, de onde vieram e quando chegaram são questões não resolvidas entre os arqueólogos. A teoria favorita, conhecida como "primeiro Clovis", afirma que durante a última Era Glacial, pessoas da Ásia seguiram animais do rebanho através de uma ponte de gelo que ligava a Sibéria ao Alasca e criou os primeiros assentamentos no Norte da América. A cultura Clovis é caracterizado por ferramentas de pedra pontiaguda.
Mas recentes descobertas de artefatos que são anteriores à Clovis, incluindo os novos artefatos do Texas, tem desafiado a hipótese do primeiro Clóvis.


Flocos e pedras
O novo tesouro contém 15.528 itens, o maior grupo de objetos de pedras pré-Clovis já encontrados. Este inclui 56 ferramentas bem preservadas entre muitos fragmentos de pedras, flocos e fragmentos que provavelmente rompeu outras ferramentas.
"O que temos encontrado são indícios de ocupação humana que datam início de 15.500 anos atrás, 2500 anos mais velho que Clóvis ", diz Michael Waters da Universidade do Texas (College Station), principal autor do estudo.
Waters e sua equipe descobriram o kit de ferramentas primitivas em uma camada do solo bem preservada em Buttermilk Creek, no centro do Texas. Diretamente acima dela havia outra camada distinta, que data da Era Clóvis.
Os objetos são claramente moldado por mãos humanas, mas menos sofisticados que as ferramentas Clovis - a equipe os descreve como protótipos. A imagem de marca da tecnologia Clovis é observada como cuidadosamente esculpida em pedra, de forma oval com finas bordas afiadas e um entalhe na parte inferior (para punho) para uma lança ou facão. Em contraste, as ferramentas recém-descobertas não são bem entalhadas e são mais leves do que as ferramentas de Clovis. Waters acredita que os descendentes destes fabricantes podem ter inventado mais tarde a tecnologia Clovis.


Difícil namoro
Estabelecer que os objetos eram de fato mais antigo que os de Clovis prova um novo desafio. A equipe não encontrou bastante matéria orgânica no local para identificar a idade das ferramentas com datação por radiocarbono. Em vez disso, recorreram a uma técnica nova e pouco menos precisa chamados luminescência opticamente estimulada, que usa a luz para elétrons livres capturados em minerais.
Outros concordam que a descoberta é significativa. "Isso me parece realmente um exemplo sólido de arqueologia que é mais velha do que as pessoas associam as datas com Clóvis", diz Douglas Bamforth da Universidade do Colorado (Boulder). "Eles têm feito um grande trabalho de documentar a idade do sedimentos."
Dennis Jenkins, da Universidade de Oregon (Eugene) está similarmente impressionado, mas assinala que as ferramentas poderiam ter mudado através as idades. "Ninguém vai argumentar que esses artefatos não são reais, mas resta saber se eles estavam exatamente onde foram encontrados ou se eles se estabeleceram a partir de cima do terreno."


Sepultura calma
Os roedores buraqueiros, as raízes das plantas e a atividade geológica criam fissuras e vazios no solo. Os artefatos podem ter escapado ao longo do tempo através essas lacunas da camada maior de Clovis para as camadas mais velhas do Buttermilk Creek. Mas Waters e sua equipe afirmam que não é susceptível de ter acontecido aqui.
Em primeiro lugar, o sitio não é geologicamente ativo e especialmente a equipe não encontrour qualquer brecha grande o suficiente para objetos a filtrarem. Em segundo lugar, se a terra tivesse movida, permitindo que os artefatos se movimentassem, esta movimentação poderia ser perceptível nas assinaturas magnéticas de diferentes camadas de solo, a equipe analisou o registro magnético, mas não encontraram nenhum sinais de perturbação.
Finalmente, a equipe mostrou que ao mostrar pedaços de lascas de pedras juntos, como peças de um quebra-cabeças 3D, e as peças que se encaixavam sempre vinham de uma única camada de terra. Em outras palavras, o fragmentos não se tinha movido de seu local de sepultamento original.


Mudança de paradigma
As novas descobertas também sugerem que a ponte entre a Ásia e a América não era a única rota para as Américas. Quinze mil anos atrás, pessoas na Sibéria, não poderiam facilmente ter atravessado para o Alasca e para baixo na América do Norte porque os grandes lençóis de gelo na época estavam fundidos, proibindo viagens pela América do Norte depois de atravessar a ponte. Em vez disso, quem fez as ferramentas de pedra no sitio de Creek Buttermilk podem ter viajado para o Novo Mundo por via marítima.
"Acho que estamos à beira de uma mudança de paradigma agora", diz Waters. "Nós estamos além do modelo do Primeiro Clóvis. Nós temos evidências robustas de pessoas aqui antes de Clovis, que está em um bem-datado e seguro contexto geológico. Agora podemos sentar a sério e desenvolver um novo modelo de o povoamento das Américas ".

Bamforth ecoa suas opiniões. "Pode ser a hora de parar de falar sobre o primeiro Clovis. "
Primeiro americanos chegaram 2.500 anos antes que nós pensavamos Primeiro americanos chegaram 2.500 anos antes que nós pensavamos Reviewed by davy sales on 01:09:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.