A Sociedade contra o Estado

(...) Não só o homem das sociedades primitivas não está de forma alguma sujeito a essa existência animal que seria a busca permanente para assegurar a sobrevivência, como é ao preço de um tempo de atividade notavelmente curto que ele alcança - e até ultrapassa - esse resultado. Isso significa que as sociedades primitivas dispõem, se assim o desejarem, de todo o tempo necessário para aumentar a produção de bens materiais. O bom senso questiona: por que razão os homens dessa sociedade quereriam trabalhar e produzir mais, quando três ou quatro horas diárias de atividades são suficientes para garantir as necessidades do grupo? De que lhes serviria isso? Qual seria a utilidade desses excedentes? Qual seria o destino desses excedentes? É sempre pela força que os homens trabalham além das suas necessidades. E exatamente essa força está ausente do mundo primitivo: a ausência dessa força externa define a natureza das sociedades primitivas. Podemos admitir a partir de agora, para qualificar a organização econômica dessas sociedades, a expressão economia de subsistência, desde que não a entendamos no sentido da necessidade de um defeito, de uma incapacidade, inerentes à esse tipo de sociedade e à sua tecnologia, mas, ao contrário, no sentido da recusa de um excesso inútil, da vontade de restringir a atividade produtiva à satisfação das necessidades. E nada mais. (...)

Pierre Clastres in A Sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac & Naif, 2003
A Sociedade contra o Estado A Sociedade contra o Estado Reviewed by davy sales on 03:45:00 Rating: 5

Um comentário:

  1. Essa sociedade contra o estado que tanto é pregada por Clastre é algo que o sgregos chamavam de acrácia (ver www.vilaacratica.blogspot.com) onde os seres não aturam a coerção do outro para com o ser

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.