Antropólogos retiram-se do Conselho Indigenista da Funai

Fonte:Conselho Indigenista Missionário (http://www.cimi.org.br)

Leia a seguir carta de cinco antropólogos, membros do Conselho Indigenista da Fundação Nacional do Índio, solicitando seu desligamento do Conselho.

"Nossa atitude pretende questionar enfaticamente procedimentos da política indigenista constatada nas ações da FUNAI, que se fundamentam em concepções arcaicas sobre os povos indígenas, seja no campo da ação política, seja nas orientações teóricas dos métodos das Ciências Sociais e da Antropologia. Nesse sentido, os problemas fundiários enfrentados por diversos povos indígenas brasileiros não têm sido considerados e enfrentados pelo órgão responsável pela política indigenista de Estado", afirmam os antropólogos que assinam a carta.

No texto, eles questionam também a “judicialização” dos processos administrativos de reconhecimento das terras indígenas, e afirmam que ela é "usada como desculpa para a paralisação" dos mesmos processos.Veja abaixo o texto completo:

Ao Senhor Márcio Thomáz Bastos
Ministro de Estado da Justiça
Esplanada dos Ministérios, Bloco T
70064 – 000 Brasília, DF

Brasília, 30 de janeiro de 2006

Nós, antropólogos membros do Conselho Indigenista da Fundação Nacionaldo Índio – FUNAI, nomeados por V.Exª e abaixo assinados, vimos por meio desta solicitar nosso desligamento desse Conselho. Nossa atitude pretende questionar enfaticamente procedimentos da política indigenista constatada nas ações da FUNAI, que se fundamentam em concepções arcaicas sobre os povos indígenas, seja no campo da ação política, seja nas orientações teóricas dos métodos das Ciências Sociais e da Antropologia. Nesse sentido, os problemas fundiários enfrentados por diversos povos indígenas brasileiros não têm sido considerados e enfrentados pelo órgão responsável pela política indigenista de Estado. Classificados, não raro explicitamente, como “aculturados” ou “em vias de integração”, figuram como impertinentes com suas reivindicações, absolutamente legítimas e históricas. De outro lado, o Conselho Indigenista, do qual estamos nos desligando, não foi acionado para discutir e aconselhar o órgão indigenista, reproduzindo a inoperância e ineficácia de Conselhos passados. As declarações do Sr. Mércio Pereira Gomes, Presidente da FUNAI, à agência de notícia Reuters em 12 de janeiro último, expressam cabalmente uma perspectiva de retrocesso face à história recente de inúmeros povos indígenas quanto ao reconhecimento de novas Terras Indígenas no Brasil – posição em última instância referendada por esse Ministério. Não podemos aconselhar ou subsidiar um Presidente da FUNAI que conclama o Supremo Tribunal Federal a impor limites às reivindicações fundiárias dos povos indígenas do país. Entendemos que o papel da FUNAI é ouvir, discutir e entender todas as dimensões das reivindicações dos indígenas e encaminhá-las para que encontrem ressonância e reconhecimento junto ao Estado brasileiro. As referidas declarações, divulgadas pela imprensa, contrariam nosso entendimento daquestão indígena no país, por advogar um “fim” às reivindicações indígenas pela via judicial – reproduzindo o que já vem ocorrendo neste governo: a “judicialização” dos processos administrativos de reconhecimento das terras indígenas usada como desculpa para aparalisação dos mesmos. Dadas estas razões, pedimos o nosso desligamentodo Conselho Indigenista da Fundação Nacional do Índio.

Bruna Franchetto
Gilberto Azanha
Isa Maria Pacheco
José Augusto Laranjeira Sampaio
Rubem Ferreira Thomas de Almeida
Antropólogos retiram-se do Conselho Indigenista da Funai Antropólogos retiram-se do Conselho Indigenista da Funai Reviewed by davy sales on 01:50:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.